A Viajante do Tempo (Outlander #1) - Diana Gabaldon

A Viajante do Tempo (Outlander #1),
de Diana Gabaldon
por Saída de Emergência
2014 / 800 páginas.
Estava eu garimpando entre as séries que estreavam quando Outlander me chamou atenção. Sou apaixonada por seriados históricos, então não hesitei em adicionar mais um à já enorme lista que acompanho. Após aprovado o pilot e já encantada com a série, imaginem a minha surpresa ao descobrir que Outlander era uma adaptação para televisão baseado em uma série de livros e que a mesma estava sendo relançada aqui no Brasil pela Editora SdE. Pronto! Bastou isso para eu decidir me aventurar nos enormes livros (são 8 calhamaços até agora) da escritora Diana Gabaldon e conhecer um dos melhores romances históricos que já tive o prazer em ler.

Em A Viajante do Tempo, primeiro livro da série Outlander, conhecemos Claire Beauchamp, uma inglesa de 27 anos que serviu na Segunda Guerra Mundial como enfermeira e seu marido Frank Randall, um professor universitário. Após um tempo separados por causa da guerra, os dois decidem realizar uma segunda lua de mel a fim de se reaproximarem, pois há um distanciamento entre os dois causado pelo tempo que ficaram longe um do outro. O lugar escolhido é Inverness na Escócia.

Já na pequena cidade, Frank que é fascinado por sua árvore genealógica, tenta descobrir quem são seus antepassados, entre eles descobrimos Jonathan Randall, um capitão do exercito inglês conhecido pelas perversidades que cometeu em sua época. Enquanto Frank e Claire exploram a cidade e conhecem seus atrativos, decidem assistir a um antigo ritual celta realizado em Craigh na Dun, um círculo de pedra misterioso, uma espécie de Stonehenge fictícia. Claire intrigada resolve retornar no dia seguinte ao mesmo lugar do ritual, quando ao tocar em uma das pedras é surpreendentemente lançada há 200 anos no passado, voltando para a Escócia de 1743, em plena Pré-Revolta Jacobita.

Assustada e desorientada, enquanto tenta descobrir o que houve consigo, Claire percebe que está no mesmo local e com as mesmas roupas, porém, ao encontrar um clã das Terras Altas, os mesmos não entendem o que uma mulher faz ali sozinha e com aquelas vestimentas. Questionam-se inclusive se a mulher não é uma prostituta, bruxa ou até mesmo espiã. Sem respostas, levam-na como refém até que descubram. Claire com o tempo vai aprendendo a lidar com a época, os costumes e o idioma, buscando manter-se viva e planejando como voltar ao círculo de pedra. Mas como é esperado, a personagem encontra em sua jornada inúmeros imprevistos e uma dúvida que assola seu coração. Ficar ou voltar, Claire se pergunta.

Apesar do texto longo, não se espantem. O que escrevi anteriormente são apenas os primeiros capítulos. A Viajante do Tempo é sem dúvida um livro enorme de bom! São 800 páginas de ficção misturadas a história, que resulta em uma trama maravilhosa. Diana Gabaldon escreve com maestria e nos faz viajar completamente na história, misturando lendas, tradições, dialetos, batalhas, brigas, religião, medicina, amor e ódio... É de tirar o fôlego e nos sentimos transportados para a Escócia junto com a Claire que, aliás, é uma das personagens mais decidida, inteligente e crível que já conheci. Como não se apegar, torcer, sofrer, se colocar em seu lugar e chorar quando ela chora? É quase impossível.

E quanto a Jamie? Jamie é o típico personagem que você cai de amores. Um escocês corajoso, forte, um tanto teimoso e ingênuo algumas vezes, o que resulta em boas risadas para o leitor. Mas o que chama atenção mesmo é o seu heroísmo e como se doa ao próximo, como faz com Claire ou apenas sua Sassenach. A Jamie também se destina as maiores atrocidades que ocorre no livro, gerando ao leitor grande horror. Nesse quesito Diana não mede esforços para tornar as cenas o mais plausível possível. Apesar da sua escrita ser elegante e cativante a vontade, é claro, é de fechar o livro.

Outro aspecto de grande importância na trama são as atitudes dos personagens condizentes com a época e o local. Assim como a caracterização, a ambientação, os costumes e tradições da região e as brigas dos clãs escoceses com os ingleses. Destaque também para a relação de marido e mulher daquela época, onde a mulher praticamente não tinha voz, sendo algo que afeta bastante nossa heroína Claire, afinal ela é uma mulher à frente do seu tempo. Se existisse viagem no tempo, ousaria dizer que Diana Gabaldon foi à Escócia no século XVIII e a partir daí escreveu o livro, por que juro, a trama é incrível. Em A Viajante do Tempo a história com certeza faz sentido e beira a realidade, tirando apenas, é claro, a viagem no tempo como algo fantasioso.

Infelizmente, por vezes a trama se torna extremamente melosa e descritiva, fazendo o ritmo de leitura diminuir. Você fica: Ok, Diana, já entendi, Jamie é tudo de bom. Sim, já entendi o quanto Claire é sortuda... Dava para a trama ser mais enxuta? Dava. O número de páginas se menor? Também. Isso afetaria a história? Não sei, talvez. Eu prefiro tramas mais enxutas, sem muita enrolação, então, sim, apesar de amar o livro isso me incomodou. Mas se você não vê problema nisso, leia e seja feliz. A Viajante do Tempo é um romance histórico dos bons! Impossível largá-lo durante a leitura e não torcer pelo casal, agora um dos meus favoritos. Claire e Jamie protagonizam um romance difícil de esquecer, que fascina e prende. No mínimo inesquecível!

Comentários

  1. Só leio elogios quanto a esse livro, mas infelizmente, dá preguiça só em ver as 800 páginas que precisaria ler :'( haushaus' Com pouco tempo pras minhas leituras fora da universidade, eu prefiro tramas mais enxutas também e que realmente me instiguem na leitura. Tenho certeza que gostaria muito de Outlander, infelizmente o tempo é escasso pra essa série (!). Que bom que ele não te decepcionou <3

    Beijos
    http://mon-autre.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Jeniffer! Pois é, ler um livro com 800 páginas demanda bastante tempo. Levei quase 3 meses para concluir a leitura, por causa da faculdade também. :/ Gostei tanto de A Viajante do Tempo que assim que terminei ele comecei a ler o segundo livro, que pra variar tem mais de 900 páginas!

      Beijos! :*

      Excluir
  2. Raysa, tudo bem? :D

    Eu assisto a serie e já percebi essa questão dos personagens serem bem condizentes com a época histórica nela. Um dia ainda vou me aventurar nas paginas dessa serie gigante :D

    Beijos,
    www.pepperlipstick.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Bia, tudo bem! Outlander é muito boa né? Não vejo a hora da segunda temporada estrear. Leia sim os livros, são enormes mas igualmente bons. Tenho certeza que irá gostar!

      Beijos!

      Excluir
  3. Eu adoro romances de época, e estou namorando esse livro há meses! Mas sempre ouço todo mundo falar o quanto ele é cansativo, falam que tem "encheção de linguiça" demais.
    Mas sua resenha me deixou animada de novo! Obrigada! Haha!
    Adorei!
    Também prefiro estórias mais enxutas... Mas dar uma chance ao livro num custa, né?

    Beijos!
    Fabíola Carvalhais
    http://www.pausaparapitacos.blogspot.com.br

    ResponderExcluir

Postar um comentário